MINHA MAIOR MOTIVAÇÃO É APRENDER SEMPRE

domingo, julho 09, 2006

ROTEIRO PARA PLANEJAMENTO

TRABALHO FINAL

Título: SITE DO BAIRRO
Identifique-se
MEU NOME É MARILETE SESTREM VITÓRIO, SOU PROFESSORA COORDEANDORA DA SALA INFORMATIZADA DA ESCOLA EDGAR MONTEIRO CASTANHEIRA. SOU FORMADA EM EDUCAÇÃO ARTÍSTICA PELA UNIVILLE, ATUO COMO PROFESSORA A QUASE 19 ANOS
Parcerias
PRETENDO PARTILHAR ESTA PROPOSTA COM OS PROFESSORES DE PORTUGUÊS, HISTÓRIA, ARTES, GEOGRAFIA E MATEMÁTICA. COM ALUNOS DE 5ª A 8ª SÉRIE.
Justificativa
A IMPORTÂNCIA DE SSA ATIVIDADE É CONCIENTIZAR OS ALUNOS, SOBRE A HISTÓRIA DO BAIRRO PARA PODER VALORIZÁ-LO.
Estabeleça os objetivos.
CONHECER E IDENTIFICAR A HISTÓRIA DO BAIRRO EM QUE VIVE.
CONCIENTIZAR OS ALUNOS SOBRE SUA HISTÓRIA

Descreva passo-a-passo as atividades.
RECOLHER DADOS SOBRE O BAIRRO, ENTREVISTAR PESSOAS MAIS VELHAS PARA CEDER INFORMAÇÕES.
FAZER GRÁFICO
Disponibilize aqui o Cronograma 02/08 À 30/08

Avaliação QUEREMOS FAZER UM BLOG SOBRE O BAIRRO FÁTIMA, CADA EQUIPE TERÁ QUE APRESENTAR OS DADOS RECOLHIDOS , OS INFORMATIVOS TUDO O QUE RECOLHEU SOBRE O BAIRRO

terça-feira, julho 04, 2006

QUADRO SINÓPTICO


TÍTULO: AMISTAD DURAÇÃO: 162 MINUTOS

SINOPSE: COSTA DE CUBA, 1839. DEZENAS DE ESCRAVOS NEGROS SE LIBERTAM DAS CORRENTES E ASSUMEM O COMANDO DO NAVIO NEGREIRO LA AMISTAD. ELES SONHAM RETORNAR PARA A ÁFRICA, MAS DESCONHECEM NAVEGAÇÃO E SE VÊEM OBRIGADOS A CONFIAR EM DOIS TRIPULANTES SOBREVIVENTES, QUE OS ENGANAM E FAZEM COM QUE, APÓS DOIS MESES, SEJAM CAPTURADOS POR UM NAVIO AMERICANO, QUANDO DESORDENADAMENTE NAVEGARAM ATÉ A COSTA DE CONNECTICUT. OS AFRICANOS SÃO INICIALMENTE JULGADOS PELO ASSASSINATO DA TRIPULAÇÃO, MAS O CASO TOMA VULTO E O PRESIDENTE AMERICANO MARTIN VAN BUREN (NIGEL HAWTHORN), QUE SONHA SER REELEITO, TENTA A CONDENAÇÃO DOS ESCRAVOS, POIS AGRADARIA AOS ESTADOS DO SUL E TAMBÉM FORTALECERIA OS LAÇOS COM A ESPANHA, POIS A JOVEM RAINHA ISABELLA II (ANNA PAQUIN) ALEGA QUE TANTO OS ESCRAVOS QUANTO O NAVIO SÃO SEUS E DEVEM SER DEVOLVIDOS. MAS OS ABOLICIONISTAS VENCEM, E NO ENTANTO O GOVERNO APELA E A CAUSA CHEGA A SUPREMA CORTE AMERICANA. ESTE QUADRO FAZ O EX-PRESIDENTE JOHN QUINCY ADAMS (ANTHONY HOPKINS), UM ABOLICIONISTA NÃO-ASSUMIDO, SAIR DA SUA APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA, PARA DEFENDER OS AFRICANOS.


REALIZAÇÃO: STEVEN SPIELBERG ANO: 1997

ÁREAS/DISCIPLINAS RELACIONADAS AO TEMA: HISTÓRIA E SALA INFORMATIZADA.


ATIVIDADES RELACIONADAS: CRIAR SLIDES NO POWER POINT.

ANTES DO VÍDEO
A PROFESSORA DE HISTÓRIA PASSOU O VÍDEO PARA AS 7ª SÉRIE E ELES ASSISTIRAM ATÉ A METADE DO FILME.

DURANTE O VÍDEO
OS ALUNOS TERIAM QUE PRESTAR BEM A ATENÇÃO DURANTE O VÍDEO POIS ELES TERIAM QUE CRIAR O FIM. DEPOIS DISSO CRIARAM SLIDES NO POWER POINT, COM ANIMAÇÕES E ILUSTRAÇÕES.

DEPOIS DO VÍDEO
FOI CRIADO UM CD COM AS APRESENTAÇÕES PARA SEREM USADOS FUTURAMENTE NAS AULAS DE HISTÓRIA

segunda-feira, julho 03, 2006


INTEGRAÇÃO DE TV E VÍDEO NO CURRÍCULO ESCOLAR

O uso de recursos audiovisuais como a tv e o vídeo só tem uma função social na educação quando está relacionada a um projeto educacional.
Tendo como referencial as informações obtidas sobre o grau de conhecimento do aluno, o professor organizará o trabalho de forma a superar o nível de conhecimento em que o aluno se encontra e dará continuidade ao processo, estimulando-o a procurar e aprofundar o seu conhecimento.

Caberá ao professor fortalecer a cultura através da satisfação de manusear esses instrumentos (TV e vídeo) capazes de trazer mais estímulos à busca e à pesquisa, com práticas e ações que possam transformá-lo num ser mais participativo, atuante e inteirado na atualidade.

É possível sim, integrar a TV e o vídeo no currículo oferecido pelas escolas porque a grande maioria possui pelo menos um aparelho de tv e um vídeo para utilização em sala. Com um pouco de boa vontade e um bom planejamento é possível melhorar as aulas, não só com os conteúdos específicos das disciplinas, mas

segunda-feira, junho 26, 2006


A IMAGEM VIDEOGRÁFICA A SERVIÇO DA EDUCAÇÃO



Para a classificação de programs televisivos, percebi a relação existente entre a audiência e os programas que deseducam! Infelizmente, o que a a mídia disponíbiliza para nossos alunos, nossos filhos, para nós!
Como exigir uma sociedade mais tranqüila, leitora, pensante!
Esses programas repassam partes de informações, tudo muito rápido com problemas, problemas e vencedores! O sucesso, o cara que deu a volta por cima (... quando está no auge, claro!). Vendem a imagem de uma sociedade consumista em seus valores e não contribuem em nada na transformação do dia-a-dia!

Abaixo uma análise e classificação de programas televisivos da TV aberta:

EDUCATIVOS COM A FINALIDADE EXPLÍCITA DE EDUCAR:

Telecurso 2000
AÇÃO

EDUCATIVOS SEM A FINALIDADE EXPLÍCITA DE EDUCAR:

GLOBO REPÓRTER

NÃO EDUCATIVOS:

Malhação
Fantástico
A Praça é Nossa

DESEDUCATIVOS:

Pânico na TV
DOMINGO LEGAL
DOMINGÃO DO FAUSTÃO
Casseta e Planeta

segunda-feira, maio 22, 2006



VENDO E COMPARANDO PROGRAMAS TELEVISIVOS

Ao analisar alguns programas de auditório, criados pra vários tipos de espectadores: desde o infantil até o adulto, percebi que, todos exploram em comum suas atividades audiovisuais. Músicas de diversos gêneros, como cantigas á música clássica.
Nos programas televisivos as cores são detalhadas, várias formas de movimento com uns toques mágicos das câmeras, que conseguem filmar vários ângulos mesmo tempo.
A relação do apresentador com o público, em geral, em todos os programas, é marcada por muito carisma, cativando a platéia e o telespectador. Alguns desenhos animados inseridos nos programas infantis dão ênfase ao consumismo, violência e outros fatos curiosos e humorísticos, fazendo constar às mesmas características nos documentários, relatos pessoais pequenas montagens dos programas para jovens e adultos.

quinta-feira, maio 18, 2006



LINGUAGENS DA TV E DO VÍDEO


As linguagens da TV e do vídeo respondem as nossas sensibilidades. São dinâmicas, dirigem-se antes à afetividade do que à razão.
Devemos ser cautelosos na escolha dos mesmos, utilizar vídeos conforme a idade do educando, ter um bom domínio do conteúdo que queremos atingir.
Escolher vídeos que mostrem determinados assuntos, de forma direta ou indireta. Mas ao mesmo tempo, saber que necessitamos prestar atenção para estabelecer novas pontes entre o vídeo e as outras dinâmicas da aula
Pois a criança lê o que pode visualizar, precisa ver para compreender. Toda a sua fala é mais sensorial-visual do que racional e abstrata. Lê, vendo.

terça-feira, maio 16, 2006



TECNOLOGIA NO COTIDIANO
Vivemos rodeados por tecnologias em nosso cotidiano, o ser humano procura construir ou aprimorar ferramentas para lhe auxiliar em suas necessidades, para tornar o trabalhop mais fácil e produtivo, englobando as técnicas e seus estudos, seja para seu aprimoramento quanto para sua evolução.Depende da situação. Quando utiliza-se como lazer a forma de assistir é a mesma, livre com o objetivo de recreação. Quando trabalhamos para obter informações, análises e comentários diferenciados são experimentados, pois preparamos todo um conteúdo a ser explorado, geramos polêmicas e debates, pontos a serem observados.Sim, sociedade tecnológica é a sociedade do conhecimento historicamente acumulado com seus avanços e aprimoramentos.Percebe-se atualmente um risco muito grande na educação do homem, estamos vivendo uma realidade na qual muitas famílias utilizam a TV como babá. A criança passa mais tempo de sua vida em frente a uma TV, do que em companhia de sua família. A TV não pode jamais responder pela educação do homem, pois o seu papel principal é o de marketing e de consumismo, independente dos valores humanos.A TV não dispensa uma leitura interpretativa, muito pelo contrário, os pais deveriam participar mais da vida de seus filhos, principalmente assistindo aos programas que seus filhos assistem. Dessa forma poderiam aproveitar as situações para instruir,, esclarecer, ensinar e assim ajudariam seus filhos a tornarem-se cidadãos mais humanos, comunicativos, conscientes e participativos nessa sociedade pós-moderna e tecnológica. Ao trabalhar TV e vídeo na sala de aula todo educador primeiramente precisa aprender a manusear estas ferramentas, mas principalmente deve planejar para interagir na construção do conhecimento e no diálogo inclusivo que pressupõe a formação cidadã, onde todos sejam capazes de aprender a apreciar, a tomar decisões, a interpretar e a decodificar padrões de comportamentos e de relacionamentos. É preciso que o professor compreenda o seu papel de mediador, pois em muitos casos o aluno funde suas experiências, anseios, frustações e esperanças com modelos e comportamentos ditados pela TV.